quarta-feira, 10 de outubro de 2018

CANSEI DO MEL














Cansei do mel!
Isso, devagar tão suave como a pluma que trago
No feitiço dos teus olhos
Estremece-me as coxas de desejo.

 
Leva-me até às margens da loucura
Eleva-me nesse ideal
Onde o sangue ferve até doer.


Isso, em cadência agora como num ritual
Lança ao fogo todo o lixo grotesco e rude
Dessas trôpegas mãos amadas
Por mim beijadas.


Teu veneno não me alcança
Apenas me diverte
Como a uma criança a quem dão sempre
O mesmo jogo de presente.


Vem,
Lambuza-me desse teu fel
Cansei do mel!


 © Célia Moura (a publicar)
(Emmanuelle Brisson Photography)

Sem comentários: