sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Execução


Vertem dos poros destes dias
A náusea esbugalhada e fria
Da fome a escorregar silêncios
Pela sarjeta
Esse grito
Que já não te sai da boca seca
Dos ossos fracos
Do teu corpo doente,
E é feito não já de qualquer raiva mas de alienação.


Antes andar a pedir na rua, que burocratizar em Instituição,
Antes buscar faminto em contentores de lixo,
Que te iludam a miséria
Com sorrisos de comiseração!

Ah vil ser humano que condenas teu Irmão!

Ah ser-se humano e ter a consciência que o único tecto possível
Talvez venham a ser as tábuas do seu caixão,
Ou somente um pedaço de terra do chão!

Célia Moura 

Sebastian Luczywo Photography

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Pensamentos de Clarice Lispector ( III )

Porque há o direito ao grito.
Então eu grito.


O que verdadeiramente somos é aquilo que o impossível cria em nós.

Porque é uma infâmia nascer para morrer não se sabe quando nem onde.

Mas tenho medo do que é novo e tenho medo de viver o que não entendo - quero sempre ter a garantia de pelo menos estar pensando que entendo, não sei me entregar à desorientação.

O que importa afinal, viver ou saber que se está vivendo?

Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado:
pensava que, somando as compreensões, eu amava.
Não sabia que, somando as incompreensões é que se ama verdadeiramente.
Porque eu, só por ter tido carinho, pensei que amar é fácil.

Saudade é um pouco como fome. 
Só passa quando se come a presença. 
Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida.

Como se ela não tivesse suportado sentir o que sentira, desviou subitamente o rosto e olhou uma árvore.
Seu coração não bateu no peito, o coração batia oco entre o estômago e os intestinos.

Eu não sou promiscua. 
Mas sou caleidoscópica: fascinam-me as minhas mutações faiscantes que aqui caleidoscópicamente registro.

E se me achar esquisita, respeite também.
até eu fui obrigada a me respeitar.

Eu não sou tão triste assim, é que hoje eu estou cansada.

Ter nascido me estragou a saúde.

Sinto a falta dele como se me faltasse um dente na frente: excrucitante.

...e ela cada vez maior, vacilante, túmida, gigantesca
se conseguisse chegar mais perto de si mesma, ver-se-ia ainda maior...
e em cada olho podia-se-lhe mergulhar dentro e nadar sem saber que era um olho...

...sua sensibilidade incomodava sem ser dolorosa, como uma unha quebrada.
e se quisesse podia permitir-se o luxo de se tornar ainda mais sensível, ainda podia ir mais adiante...

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Palavras Sábias de Confúcio V

De nada vale tentar ajudar aqueles que não se ajudam a si mesmos.

É preciso que o discípulo da sabedoria tenha o coração grande e corajoso. 
O fardo é pesado e a viagem longa.

Todos os homens se nutrem, mas poucos sabem distinguir os sabores.

Para quê preocuparmo-nos com a morte? 
A vida tem tantos problemas que temos de resolver primeiro.

Aprende a viver bem, e bem saberás morrer.

Entre amigos as frequentes censuras afastam a amizade.

O mestre disse: 
Quem chega aos quarenta anos sem ser estimado, não o será nunca mais.

Se de manhã pudermos aprender o que é correto, 
devemos sentir-nos contentes se morrermos à tarde.

O mestre disse: 
Não é grave se os homens não te conhecem, grave é se tu não os conheces.

Sem uma língua comum não se podem concluir os negócios.

Aquele que reprime os ímpetos da cólera estará a coberto de qualquer perigo. 
É conveniente saber sufocar, ou ao menos moderar a cólera, o temor, a tristeza, 
a alegria, e outras agitações profundas que podem alterar a retidão da alma.

Confúcio

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Pensamentos de Clarice Lispector ( II )

Liberdade é pouco. 
O que eu desejo ainda não tem nome.

Terei toda a aparência de quem falhou, e só eu 
saberei se foi a falha necessária.

E o que o ser humano mais aspira é tornar-se ser humano.

... estou procurando, estou procurando. Estou tentando entender. 
Tentando dar a alguém o que vivi e não sei a quem, mas não quero ficar com o que vivi. 
Não sei o que fazer do que vivi, tenho medo dessa desorganização profunda.

 ... uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. 
Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve morrer. 
Inclusive muitas vezes é o próprio apesar de que nos empurra para a frente. 
Foi o apesar de que me deu uma angústia que insatisfeita foi a criadora de minha própria vida.
Foi o apesar de que parei na rua e fiquei olhando para você enquanto você esperava um táxi. 
E desde logo desejando você, esse teu corpo que nem sequer é bonito, mas é o corpo que eu quero. 
Mas quero inteira, com a alma também. Por isso, não faz mal que você não venha, esperarei quanto tempo for preciso.

Passei a vida tentando corrigir os erros que cometi na minha ânsia de acertar.

Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato...
Ou toca, ou não toca.


É difícil perder-se. É tão difícil que provavelmente arrumarei depressa um modo 
de me achar, mesmo que achar-me seja de novo a mentira de que vivo.

Não entendo. 
Isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender. 
Entender é sempre limitado.
Mas não entender pode não ter fronteiras. 
Sinto que sou muito mais completa quando não entendo. 
Não entender, do modo como falo, é um dom. 
Não entender, mas não como um simples de espírito. 
O bom é ser inteligente e não entender. 
É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida. 
É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. 
Só que de vez em quando vem a inquietação: quero entender um pouco. 
Não demais: mas pelo menos entender que não entendo.

sábado, 10 de novembro de 2018

Pensamentos de Clarice Lispector



Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. 
Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro.

Sim, minha força está na solidão. 
Não tenho medo nem de chuvas tempestivas nem das grandes 
ventanias soltas, pois eu também sou o escuro da noite.

Que ninguém se engane, só se consegue a simplicidade através de muito trabalho.

Renda-se, como eu me rendi. 
Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. 
Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento.

Enquanto eu tiver perguntas e não houver resposta continuarei a escrever.

Já que se há de escrever... que ao menos não se esmaguem com palavras as entrelinhas.

Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido. 
Eu não: quero uma verdade inventada.

E umas das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. 
Apesar de, se deve comer. 
Apesar de, se deve amar. 
Apesar de, se deve morrer. 
Inclusive muitas vezes é o próprio apesar de que nos empurra para frente. 
Foi o apesar de que me deu uma angústia que insatisfeita foi criadora de minha própria vida.

Ela acreditava em anjo e, porque acreditava, eles existiam.

Ah, e dizer que isto vai acabar, que por si mesmo não pode durar. 
Não, ela não está se referindo ao fogo, refere-se ao que sente. 
O que sente nunca dura, o que sente sempre acaba, e pode nunca mais voltar. 
Encarniça-se então sobre o momento, come-lhe o fogo, e o fogo doce arde, arde, flameja. 
Então, ela que sabe que tudo vai acabar, pega a mão livre do homem, 
e ao prendê-la nas suas, ela doce arde, arde, flameja.
Imagem - "pixabay"
Eu sou a coragem
disseste-me um dia.
Sou parte de ti caso me queiras
e tenho a honra de te apresentar minha irmã liberdade.


Ambas fazemos parte de um mundo raro
um mundo novo
firmámos como um pacto de sangue
sabes o que isso significa?


Por nós muitos verteram e vertem seu sangue.
Não somos palavras torpes nem vãs
para andarilhar de boca em boca
somos pérolas,
não nos dês aos cães!

Somos a assembleia eleita e a palavra final,
a desordem onde se ambiciona paz
e a fome do irmão que já nem vês!

Podes esquecer até quem és
mas não a tua origem.
Poderás dizer-me que nada mais te importa
mas estarei de estandarte bem estendido à tua porta!

Nega-me se ousares!

Mas a ti poeta quem negará
todas as palavras que escreveste
e os cânticos que doaste nesta liberdade
que te foi imposta!

Célia Moura, poesia 2017

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Palavras Sábias de Confúcio IV

O sábio envergonha-se dos seus defeitos, mas não se envergonha de os corrigir.

Aquele que não prevê as coisas longínquas expõe-se a desgraças próximas.

O silêncio é um amigo que nunca trai.

A essência do conhecimento consiste em aplicá-lo, uma vez possuído.

O mestre disse: Por natureza, os homens são próximos; a educação é que os afasta.

O mestre disse: 
O pródigo é arrogante e o avaro é mesquinho. 
É preferível a mesquinhez à arrogância.

Ultrapassar os limites não é um erro menor do que ficar aquém deles.

Mil dias não bastam para aprender o bem; mas para aprender o mal, uma hora é demais.

Não fales bem de ti aos outros, pois não os convencerás. 
Não fales mal, pois te julgarão muito pior do que és.

Somente os extremamente sábios e os extremamente estúpidos é que não mudam.

A cultura está acima da diferença da condição social.

Pensar sem aprender torna-nos caprichosos, e aprender sem pensar é um desastre.

O mestre disse: 
Não quero nada com quem não se pergunta: como fazer, como fazer?

Confúcio



terça-feira, 6 de novembro de 2018

Agostinho da Silva - (Textos II)


"Ora, se estamos todos muito bem preparados para reclamar liberdade para nós próprios, 
menos dispostos parecemos para reclamar sobretudo liberdade para os outros ou para 
lhes conceder a liberdade que está em nosso próprio poder; 
se conhecêssemos melhor a máquina do mundo, talvez descobríssemos que muita tirania 
se estabelece fora de nós como se fosse a projecção ou como sendo realmente a projecção 
das linhas autocráticas que temos dentro de nós; primeiro oprimimos, depois nos oprimem; 
no fundo, quase sempre nos queixamos dos ditadores que nós mesmos somos para os outros; e até para nós próprios, reprimindo todas as tendências que nos parecem pouco sociais ou pouco 
lucrativas, desejando muito que os outros nos vejam como simples, bem ajustados, facilmente etiquetáveis. 
Mas nenhum mundo realmente novo, e está o velho a cair aos pedaços, poderá realmente 
surgir sem que tenhamos por ideal exactamente o contrário: 
que a complexidade, que provavelmente é o natural do homem, como espelho, semelhança 
e imagem da totalidade que Deus é, se afirme sobre a simplicidade e deixemos finalmente 
de crucificar, para depois lhes levantarmos templos, todos aqueles que ousaram ser completos 
e complexos, e se não limitaram, para sua comodidade, ou nossa, a arrastar-se na vida, 
como lavras de gente." 

Agostinho da Silva
SOBRE AS ESCOLHAS (1970)
TEXTOS E ENSAIOS FILOSÓFICOS II
Âncora Editora, 1999, p. 226.

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Agostinho da Silva - (Textos)

"A única salvação do que é diferente é ser diferente até ao fim, 
com todo o valor, todo o vigor e toda a rija impassibilidade; 
tomar as atitudes que ninguém toma e usar os meios de que ninguém usa; 
não ceder a pressões, nem aos afagos, nem às ternuras, nem aos rancores; 
ser ele; não quebrar as leis eternas, as não-escritas, ante a lei passageira 
ou os caprichos do momento; no fim de todas as batalhas - batalhas para os outros, 
não para ele, que as percebe - há-de provocar o respeito e dominar as lembranças; 
teve a coragem de ser cão entre as ovelhas; nunca baliu; 
e elas um dia hão-de reconhecer que foi ele o mais forte e as soube 
em qualquer tempo defender dos ataques dos lobos."


















Agostinho da Silva

DIÁRIO DE ALCESTES (1945) 
TEXTOS E ENSAIOS FILOSÓFICOS I 
Âncora Editora, 1999, pág. 218.

domingo, 4 de novembro de 2018

O perdão e a libertação de todos os "eus"

Uma das mais elevadas demonstrações de Amor é o perdão, sobretudo se ele provém do nosso coração, ou seja, sem que a pessoa que tanto nos destruiu jamais nos peça perdão, pior ainda, sem que reconheça que alguma vez nos prejudicou com seus actos ou palavras.

Só seres humanos elevados conseguirão perdoar este tipo de pessoas dignas de compaixão, que se acham tudo, pessoas que não possuem qualquer respeito pela Vida.

Pense um pouco. 
Essas pessoas não nasceram assim. 
Algo lhes foi vedado, algo de muito cruel poderá lhes ter sido feito, inclusive na infância e moldado o seu carácter.

Sabem, que é nos primeiros anos de vida que pode ser moldado o carácter de um adulto e que a maioria dos adultos tem memórias de si mesmo nessa infância entre os três e os cinco anos, por vezes menos, dependendo da sua sensibilidade?

Quando perdoamos já adultos, não importa se grandes ofensas ou coisas mínimas, estamo-nos a libertar de alguns dos nossos “eus” incutidos inadvertidamente desde a infância, ou seja, do reflexo que algumas atitudes e pessoas exerciam sobre nós.

Não sou de modo algum especialista na matéria, somente alguém que tendo sido criança aprendeu a perdoar na fase adulta e sem qualquer esforço.
Sou grata a Deus.


Acreditem que perdoar e limpar a alma de qualquer mágoa é libertação. 
Ser perdoado também é bom, mas o mais importante é alguém se sentir perdoado e em paz dentro de si mesmo.
Essa é a Alegria genuína que só as crianças sabem.
Namastê!


Célia Moura
Monólogos Descontínuos

Foto : "Google"

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Palavras Sábias de Confúcio III

Poder sem magnanimidade e ar de luto sem dor, são coisas que não suporto presenciar.

O mestre disse a um dos seus alunos: Yu, queres saber em que consiste o conhecimento? 
Consiste em ter consciência tanto de conhecer uma coisa quanto de não a conhecer. 
Este é o conhecimento.

Escolhe um trabalho de que gostes, e não terás que trabalhar nem um dia na tua vida.

Em todas as coisas o sucesso depende de uma preparação prévia, e sem tal preparação 
o falhanço é certo.

Para conhecermos os amigos é necessário passar pelo sucesso e pela desgraça. 
No sucesso, verificamos a quantidade e, na desgraça, a qualidade.

Ver o bem e não fazê-lo é sinal de covardia.

Foge por um instante do homem irado, mas foge sempre do hipócrita.

Conta-me o teu passado e saberei o teu futuro.

O homem de palavra fácil e personalidade agradável raras vezes é homem de bem.

A virtude está no meio.
Quem o ultrapassa não logra mais que os infelizes privados de alcançá-lo.

 Como é que um homem sem as virtudes que lhe são próprias pode cultivar a música?

 O mestre disse: Quem se modera, raramente se perde.

Confúcio